Anatomia da ATM: a articulação mais complexa do organismo

Se você é odontólogo já deve ter ouvido falar na anatomia da ATM, não é mesmo? Afinal, essa é considerada a articulação mais complexa do organismo e quando sofre alguma disfunção, pode causar incômodos diários nos pacientes, como fortes dores na cabeça e no pescoço.

Como não associam a dor a algo nos dentes, as pessoas geralmente procuram médicos para tratar desse incômodo. O ortodontista só recebe o paciente mais tarde, quando os médicos verificam que se trata de um problema na articulação temporomandibular, ou simplesmente ATM.

É por isso que os odontólogos precisam conhecer sobre a anatomia da ATM. Neste artigo, fizemos um resumo sobre o assunto. Confira, a seguir!

Entenda o que torna a ATM a articulação mais complexa do organismo

A ATM é responsável pela ligação entre a mandíbula e o osso temporal do crânio. Ela fica localizada à frente das orelhas, em cada lado da cabeça. Entre as partes, existe ainda um disco articular. Todo o conjunto da articulação é envolvido ainda por uma cápsula.

A articulação é conhecida como a mais complexa do organismo por realizar movimentos simultâneos de rotação e translação. Além disso, a sua anatomia é bem ampla e envolve vários elementos.

Conheça cada estrutura da anatomia da ATM

A anatomia da ATM é composta por diversas estruturas que proporcionam os movimentos de rotação e translação, responsáveis pela abertura, fechamento e movimentos da boca.  Na sequência, veja um pouco mais sobre cada uma das estruturas da anatomia da ATM!

Fossa mandibular e protuberância articular

A fossa mandibular ou glenoide é a porção mais profunda do osso temporal. Ela é formada por uma camada fina de osso compacto, que também é revestida por uma camada de fibrocartilagem.

A protuberância articular ou eminência, por sua vez, é formada por um osso esponjoso, que recebe a cobertura de uma camada de osso fino. Toda a estrutura é recoberta por fibrocartilagem.

Côndilo mandibular

Trata-se de um detalhe anatômico formado por uma ossificação endocondral, formada por um osso de espessura esponjosa e coberto por uma camada mais fina de osso cortical, cuja espessura varia de pessoa para pessoa.

Disco articular

O disco articular é uma das principais estruturas da anatomia da ATM. Ele é formado por uma estrutura fibrocartilaginosa e é bicôncava. Seu objetivo é proteger e possibilitar o contato das superfícies ósseas da articulação durante a movimentação da mandíbula.

Ainda tem a função de amortecer os choques e regular os movimentos. Para isso, entre a porção anterior do disco é dividida em duas faixas, sendo que a superior é inserida na eminência articular e a inferior na superfície anterior.

É importante destacar que a porção posterior do disco também é dividida em duas partes, sendo que a superior é ligada à fissura petrotimpânica e a inferior está relacionado ao côndilo. Além disso, a estrutura ainda conta com fibras musculares entre as duas faixas.

Zona bilaminar

A zona bilaminar compreende um tecido conjuntivo frouxo, localizado na porção posterior do disco articular. A região é muito rica em vasos e fibras nervosas.

Cápsula articular

A cápsula articular é composta por um tecido conjuntivo que reveste toda a anatomia da ATM. Ela tem a função de proteger e limitar os movimentos do côndilo, para que ele seja maleável o suficiente para conseguir fazer os movimentos necessários.

Líquido sinovial

O chamado líquido sinovial tem origem nas células sinoviais e tem uma consistência viscosa que é responsável por lubrificar todas as superfícies articulares. Desse modo, é aumentada a eficiência da movimentação e reduz a erosão no local.

Ligamentos

A anatomia da ATM também tem diversos ligamentos de tecido conjuntivo colagenoso, que atuam como limitadores da função articular. Esses ligamentos, portanto, seguram a ATM e são classificados em três tipos, os colaterais, os capsulares e os temporomandibulares.

Apesar disso, apenas três ligamentos têm uma ligação direta com a ATM. São eles: o ligamento lateral ou temporomandibular, o disco-zigomático e o ligamento de Tanaka.

Vascularização

A vascularização da ATM ocorre por meio das ramificações das artérias maxilares-internas e pelas temporais-superficiais, que fazem a irrigação das partes posteriores da cápsula. Enquanto isso, pequenos ramos da artéria penetram na região anterior.

Também existem um plexo vascular retromandibular na parte posterior da cápsula. Esse plexo é responsável por deixar a pressão igualada nos tecidos, proporcionando o preenchimento e o esvaziamento do côndilo. Assim, essa estrutura pode se movimentar de forma rítmica para frente e para trás.

Veja o que é necessário para diagnosticar disfunções na anatomia da ATM

Os pacientes que têm distúrbios na ATM costumam se queixar dos seguintes sintomas:

  • dores de ouvido;
  • fortes dores de cabeça ou enxaquecas;
  • dores ao mastigar alimentos ou bocejar;
  • mandíbulas que saem do lugar ou ficam presas;
  • desencaixe da mandíbula ao abrir e fechar a boca;
  • mudanças na forma como os dentes superiores e inferiores se encaixam.

Para diagnosticar esse tipo de problema, além de observar esses sintomas descritos pelos pacientes, os dentistas também devem solicitar exames. Entre eles, destaca-se os exames de imagens, pois as radiografias permitem que o ortodontista possa verificar detalhadamente cada uma das estruturas da anatomia da ATM, que descrevemos anteriormente.

Esperamos que nosso conteúdo tenha sido útil para você e que tenha contribuído para aumentar ainda mais os seus conhecimentos sobre a anatomia da ATM. Assim, você poderá buscar por especializações na área e atender cada vez melhor os seus pacientes.

No caso de ter ficado com alguma dúvida sobre o assunto ou queira compartilhar alguma situação que aconteceu em seu consultório conosco, deixe um comentário no espaço abaixo. Vamos debater juntos sobre esse assunto tão importante!

Leia também

Deixe uma resposta

Fechar Menu

Escolha qual sistema deseja acessar: