Gestão de clínica odontológica: como calcular os encargos trabalhistas da equipe?

Fazer uma boa gestão de clínica odontológica é fundamental para o crescimento do seu negócio e, consequentemente, melhorar os lucros e poder oferecer mais serviços para os pacientes, se tornando uma referência no mercado. Um dos desafios que muitas clínicas enfrentam para realizar a gestão são os elevados encargos tributários trabalhistas.

Uma pesquisa concluiu que o Brasil tem a mão de obra mais elevada comparada a outros 90 países. Por exemplo, um funcionário que custa US$ 30 mil por ano, no Brasil, paga-se 71,4% desse valor apenas com encargos. A média mundial é de 20,5%.

Como fazer os cálculos na gestão de clínica odontológica

Para deixar essas informações ainda mais claras, vamos agora mostrar como calcular os encargos trabalhistas da sua equipe.

Para o trabalhador “celetista”

Trabalhador celetista é aquele regido pela CLT que, por sua vez, estabelece quais são as alíquotas que devem ser pagas e qual o valor de cada uma. É necessário fazer o pagamento do INSS, FGTS, adicional de férias, 13º salário, entre tantas outras. Na hora de realizar a gestão de clínica odontológica, ao avaliar a folha de pagamento devem ser analisados também:

  • 13º Salário: corresponde à uma remuneração integral, paga de forma proporcional aos meses trabalhados dentro de um ano;

  • Adicional de Férias:  ⅓ a mais, calculado com base na remuneração;

  • Seguro Acidente de Trabalho: até 3%;

  • INSS: 20%;

  • FGTS: 8%.

Lembrando que esses valores valem para empresas que não sejam registradas no Simples Nacional. Além disso, é importante respeitar uma particularidade desse segmento: profissionais que trabalham com Raios-X devem ter férias a cada semestre e não a cada 12 meses como a maioria dos empregados regidos pela CLT.

Isso ocorre porque esse profissional está em constante contato com radiação e, por conta disso, precisa de mais tempo de descanso que outros funcionários da empresa. O corpo precisa de certo tempo afastado dessas radiações para que possa se reorganizar e solucionar os problemas causados pela exposição da radiação. As férias são de 20 dias e esse é um direito básico.

Não respeitar esse período mínimo pode acarretar sérios problemas para a clínica já que o profissional pode desenvolver algum tipo de patologia por conta dessa exposição por tempo ininterrupto. Por exemplo, as chances de desenvolver câncer aumentam significativamente.

Outra questão é que a legislação específica para esse trabalhador só permite que ele trabalhe, no máximo, 24 horas por semana. Assim, suprir a demanda de exames de imagem e laudos da clínica pode não ser possível. A solução seria contratar mais funcionários especialistas e, consequentemente, aumentar os encargos trabalhistas na folha de pagamento.

Caso o especialista seja do sexo feminino, enquanto ela estiver gestante, deverá ficar distante das radiações e, portanto, deverá ser realocada em outra função e um novo funcionário deverá ser contratado para ficar em seu lugar.

Assim, a contratação direta de um profissional por uma empresa no formato CLT pode não ser tão vantajoso devido aos elevados valores dos encargos cobrados em nosso país.

pessoas fechando um acordo de negócios

Para o prestador de serviços PJ

Um prestador de serviços também pode ser uma empresa e firmar parcerias com outras empresas, oferecendo soluções de uma forma fixa. Por exemplo, a sua clínica pode fechar um contrato com outra empresa para adquirir os serviços que ela oferece por um determinado período de tempo, que costuma ser de um ano.

No caso de uma clínica odontológica, estamos falando, principalmente, da contratação de um profissional autônomo que possa oferecer os serviços especializados em radiologia. A princípio, essa pode parecer uma excelente opção, mas alguns problemas podem surgir em longo prazo, ou seja, só depois que o contrato foi estabelecido.

Um deles é o fato de que o funcionário não tem a obrigatoriedade de comparecer em determinado horário na clínica para cumprir uma jornada de trabalho fixa. Lembre-se: estamos falando de um profissional autônomo. Ele vai à clínica em determinado horário, cumpre a demanda daquele momento e, normalmente, só volta no dia seguinte.

Isso pode prejudicar o tratamento dos pacientes, pois, nesse caso, perde-se a agilidade no diagnóstico. Além disso, essa situação pode prejudicar também toda a gestão de clínica odontológica.

Outro ponto que precisa ser levado em consideração é que, em determinadas circunstâncias, o profissional pode abrir um processo trabalhista contra a clínica. Se ele está contratado como prestador de serviços PJ, mas realiza o trabalho como se fosse um empregado da empresa regido pela CLT, a clínica terá que pagar os direitos devidos, inclusive os retroativos.

Essa situação gera um enorme risco para a gestão de clínica odontológica, especialmente no setor financeiro.

Para o terceirizado

Uma das melhores opções para as empresas está na terceirização, que é o que acontece quando uma empresa contrata outra para prestar alguns tipos de serviços.

Uma das grandes vantagens dessa forma de contratação é o fato de a clínica não precisar se preocupar com o pagamento de encargos trabalhistas. Afinal de contas, ela fez um contrato com a empresa e não diretamente com o trabalhador. Quem fica responsável pelo pagamento desses encargos é a prestadora de serviços. Assim, os profissionais têm seus direitos garantidos e a gestão de clínica odontológica pode ser realizada mais facilmente.

Além disso, o estabelecimento não terá problemas como afastamento de profissionais da radiologia por motivo de doença, folga ou férias. A prestadora de serviços cuidará de toda a parte burocrática e você terá os laudos dos seus exames radiológicos em mãos sempre que precisar. Assim, na hora de fazer a gestão de clínica odontológica, a equipe poderá ser mais produtiva e focar em outros assuntos mais urgentes.

Ao realizar a terceirização dos serviços de radiologia, fica bem mais simples realizar a gestão de clínica odontológica, pois os funcionários do setor financeiro e do RH não precisarão passar horas calculando os encargos trabalhistas de cada um dos funcionários, por exemplo.

Montar um time que seja compatível com os serviços que a sua clínica oferece é essencial para manter a gestão da clínica em dia. Na hora de escolher os profissionais que farão parte da clínica, é preciso levar diversos fatores em consideração, especialmente o financeiro. A clínica precisa ter total condição de cobrir os custos e ainda ter lucro suficiente para crescer em um mercado altamente concorrido.

Agora que você já sabe como calcular os encargos trabalhistas da equipe para realizar uma boa gestão de clínica odontológica, aproveite e veja a importância do profissional radiologista na odontologia e como ele pode contribuir!

Leia também

Deixe um comentário