Padrão DICOM: o que é e quais os benefícios para laudos odontológicos

Se você acompanha os avanços da telemedicina e da odontologia a distância, já deve ter ouvido falar em padrão DICOM. Mas, caso ainda não saiba do que o termo se trata, não se preocupe, pois, vamos explicar com detalhes.

Trata-se de uma espécie de código, que é utilizado para padronizar imagens nos consultórios médicos e clínicas odontológicas. Isso facilita a emissão e interpretação de laudos odontológicos.

Ficar por dentro desse assunto é muito importante e interessante para você e foi por isso que desenvolvemos este post. A seguir, vamos esclarecer as principais dúvidas que os dentistas e donos de clínicas de radiologia têm sobre o padrão DICOM. Veja!

O que é o padrão DICOM?

DICOM é uma sigla em inglês para Digital Imaging and Communications in Medicine, algo que pode ser traduzido como “Imagem digital e comunicação na medicina”. Esse padrão foi criado no ano de 1983, por um comitê de médicos norte-americanos que faziam parte do American College Of Radiology (ACR) e da National Eletrical Manufactures Association (NEMA).

De maneira geral, podemos definir o padrão DICOM como um conjunto de regras e normativas que impõem protocolos para o armazenamento de imagens e a comunicação médica, na aplicação da telemedicina. Depois de um tempo, ele também passou a ser aplicado para a área odontológica e outros segmentos do ramo da saúde.

Atualmente o padrão DICOM já está em sua terceira versão e constantemente recebe alterações para que possa ser aperfeiçoado. A ideia é que todos os fabricantes de equipamentos de radiologia e exames por imagem adotem esse protocolo, facilitando assim o trabalho nas clínicas.

Quais são os objetivos do uso do padrão DICOM?

O principal objetivo do padrão DICOM é fazer com que as imagens digitais sigam o mesmo formato, independentemente da marca ou modelo do equipamento em que elas foram geradas. De tal modo, os arquivos podem ser analisados em qualquer tipo de computador ou dispositivos digitais, facilitando assim a emissão de laudos a distância.

Se o padrão DICOM não fosse implementado, dificilmente a telemedicina e a telerradiologia estariam tão desenvolvidas como se encontram hoje. Afinal, se uma imagem fosse coletada em uma máquina marca X e enviada para um dentista que tem um computador da marca Y, por exemplo, ele não conseguiria visualizar os arquivos.

Tudo isso só é possível graças a implementação do padrão DICOM, que tem feito com que os trabalhos de radiologia a distância ganhem cada vez mais destaque nas clínicas odontológicas. Hoje em dia, para um dentista, vale mais a pena terceirizar a emissão de laudos do que contratar um radiologista para atuar na clínica.

Como esse padrão funciona?

O padrão DICOM funciona, na maioria dos casos, por meio do sistema PACS. Trata-se de outra sigla em inglês, que significa Picturing Archiving Comunication Systema. Isso pode ser traduzido como “Sistema de comunicação de arquivamento de imagem”.

Essa tecnologia faz com que haja uma melhoria nos processos que envolvem os exames de imagem nos estabelecimentos de saúde. Ao implementar o sistema, o padrão DICOM será seguido em uma clínica.

Já no caso de empresas que prestam o serviço de telerradiologia, em alguns casos, já é oferecido ao cliente um padrão DICOM. Assim, as trocas de imagens podem ser feitas de com maus praticidade, trazendo benefícios para os profissionais da saúde e os seus pacientes.

Que benefícios o padrão DICOM traz para os laudos odontológicos?

O padrão DICOM traz diversos benefícios para as clínicas odontológicas. Isso porque ele auxilia na execução dos serviços de laudos a distância, garantindo a sua qualidade.

Veja quais são as principais vantagens do padrão DICOM para as clínicas odontológicas!

Possibilidade de abrir as imagens em qualquer dispositivo

Ao utilizar o padrão DICOM, os dentistas poderão abrir as imagens dos exames de seus pacientes nos computadores da clínica ou em outro dispositivo de sua preferência. Não é necessário ter um equipamento exclusivo para isso.

Resultados mais rápidos para os pacientes

A emissão de laudos pelo padrão DICOM dispensa a necessidade de converter formatos para que as imagens possam ser visualizadas. Por isso, os resultados dos exames laudados chegaram mais rapidamente e isso contribui para um melhor tratamento dos pacientes.

Compartilhamento das imagens

Caso mais de um profissional esteja envolvido no tratamento de um paciente, por exemplo, podem ser compartilhadas as imagens e feitas trocas de informações médicas de forma rápida e prática. Afinal, os arquivos poderão ser abertos em qualquer dispositivo.

Padronização em protocolos clínicos

As análises feitas com o formato DICOM são padronizadas em protocolos clínicos específicos. Isso faz com que um número considerável de dados compartilhados sobre as patologias, contribuindo assim para uma maior produção literária da medicina e da odontologia.

Emissão de laudos a distância

Se não fosse pelo padrão DICOM, a emissão de laudos a distância não seria possível. Como sabemos, essa prática proporciona economia e praticidade para as clínicas e agilidade no atendimento para os pacientes.

Todos saem ganhando e somente com o uso de uma mesma tecnologia as trocas se intensificam. Isso por que os laudos podem facilmente ser emitidos de forma remota, sem que o radiologista ocupe o mesmo espaço físico em que as imagens foram coletadas.

Entendido o que é o padrão DICOM? Então agora você já sabe: se for contratar uma empresa que faz a emissão de laudos a distância, verifique antes se ela utiliza esse recurso para executar as suas atividades.

Tudo compreendido ou ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe um comentário no espaço abaixo e vamos debater juntos sobre esse padrão tão importante.

Leia também

Deixe uma resposta

Fechar Menu

Escolha qual sistema deseja acessar: